Os males do comunismo


O comunismo elimina o mais sagrado dom que o homem recebeu de Deus: a liberdade

comunismo

Desde que o comunismo (socialismo) surgiu no mundo, como expressão prática do marxismo-leninismo, a Igreja o combateu sem tréguas, por ser ateu, materialista, desumano, utópico, adverso a Deus e à Igreja. Segundo os seus mentores, Karl Marx, Lenin e outros, “a religião é o “ópio do povo”, isto é, a droga que deixa o povo alienado e sujeito às explorações do capitalismo e dos ricos. A acusação vazia contra a Igreja é a de que ela só ensinava aos fiéis buscarem o céu,

As muitas encíclicas dos Papas, desde a Rerum Novarum de Leão XIII (1878-1903) até o“Evangelho da Alegria” do Papa Francisco, desmentem essa mentira. A Igreja sempre foi a Instituição, em toda a história da humanidade, que mais caridade fez no mundo.

Para “libertar” os proletários, o comunismo prega a revolução violenta, a “luta de classes” até a eliminação de todas as classes, o que é uma utopia; incita a revolta dos empregados contra os patrões, dos pobres contra os ricos; joga irmãos contra irmãos, prega a eliminação da propriedade privada e persegue todo tipo de religião, de modo especial o Cristianismo.

Acima de tudo, o comunismo elimina o mais sagrado dom que o homem recebeu de Deus: a liberdade. Veja o que se passa em Cuba ainda hoje: o cidadão não pode deixar o país; é uma “ilha-prisão” em pleno século XXI, onde o povo não vota há mais de cinquenta anos. E ainda tem gente que a defenda.

Piérre Proudhon (†1865) disse: “O comunismo degrada os dons naturais do homem, coloca a mediocridade no nível da excelência e chama a isso igualdade”. Na verdade, tenta criar uma igualdade utópica que Deus nunca desejou.

A fé católica ensina a socorrer o pobre em suas necessidades materiais, mas não pela violência, não derramando sangue inocente nem tirando a liberdade e a vida preciosa do ser humano e o transformando apenas em um dente da engrenagem do deus Estado. A moral não aceita que se faça o bem por meios maus; os fins não podem justificar os meios. Para os comunistas todos os meios são válidos para implantar o comunismo. É um sistema maquiavélico que matou milhões.

Winston Churchill (†1965) dizia: “Um jovem que não foi comunista não tinha coração; mas o adulto que permanece comunista não tem cérebro”. M. Thatcher dizia que “o socialismo acaba quando acaba de gastar o dinheiro dos outros”.

É importante meditar um pouco sobre o que a Igreja já falou sobre isso. O documento de Puebla (III CELAM, 1979) deixou bem claro: “(…) A libertação cristã usa ‘meios evangélicos’, com a sua eficácia peculiar, e não recorre a nenhum tipo de violência, nem à dialética da luta de classes (…)” (nº 486) ‘ou à práxis ou análise marxista’” (nº 8).

Na Encíclica do Papa Pio XI, a“ Divini Redemptoris, sobre o “”Comunismo Ateu” (19 de março de 1937), ele a condena veementemente. Pio IX disse: “E, apoiando-se nos funestíssimos erros do comunismo e do socialismo, asseguram que a ‘sociedade doméstica tem sua razão de ser somente no direito civil’ (Quanta Cura, 5). Leão XIII pediu: “Não ajudar o socialismo. Tomai ademais sumo cuidado para que os filhos da Igreja Católica não deem seu nome nem façam favor nenhum a essa detestável seita” (Quod Apostolici Muneris, no. 34).

“Porque, enquanto os socialistas, apresentando o direito de propriedade como invenção humana contrária à igualdade natural entre os homens; enquanto, proclamando a comunidade de bens, declaram que não pode tratar-se com paciência a pobreza e que impunemente se pode violar a propriedade e os direitos dos ricos, a Igreja reconhece muito mais sabia e utilmente que a desigualdade existe entre os homens, naturalmente dissemelhantes pelas forças do corpo e do espírito, e que essa desigualdade existe até na posse dos bens. Ordena, ademais, que o direito de propriedade e de domínio, procedente da própria natureza, se mantenha intacto e inviolado nas mãos de quem o possui, porque sabe que o roubo e a rapina foram condenados pela lei natural de Deus” (Quod Apostolici Muneris, – Encíclica contra as seitas socialistas, no. 28/29).

“Entretanto, embora os socialistas, abusando do próprio Evangelho para enganar mais facilmente os incautos, costumem torcer seu ditame, contudo há tão grande diferença entre seus perversos dogmas e a puríssima doutrina de Cristo, que não poderia ser maior” (Quod Apostolici Muneris, 14).

“A Igreja, pregando aos homens que eles são todos filhos do mesmo Pai celeste, reconhece como uma condição providencial da sociedade humana a distinção das classes; por essa razão, ensina que apenas o respeito recíproco dos direitos e deveres, e a caridade mútua darão o segredo do justo equilíbrio, do bem estar honesto, da verdadeira paz e prosperidade dos povos. (…) “Mais uma vez, nós o declaramos: o remédio para esses males não será jamais a igualdade subversiva das ordens sociais” ( Alocução de 24/01/1903 ao Patriarcado e à Nobreza Romana).

“A sociedade humana, tal qual Deus a estabeleceu, é formada de elementos desiguais, como desiguais são os membros do corpo humano; torná-los todos iguais é impossível: resultaria disso a própria destruição da sociedade humana.”

“Disso resulta que, segundo a ordem estabelecida por Deus, deve haver na sociedade príncipes e vassalos, patrões e proletários, ricos e pobres, sábios e ignorantes, nobres e plebeus, os quais todos, unidos por um laço comum de amor, se ajudam mutuamente para alcançar o seu fim último no céu e o seu bem-estar moral e material na terra” (Quod Apostolici Muneris).

Pio XI disse: “(…) Como pede a nossa paterna solicitude, declaramos: o socialismo, quer se considere como doutrina, quer como fato histórico, ou como ‘ação’, se é verdadeiro socialismo, (…) não pode conciliar-se com a doutrina católica, pois concebe a sociedade de modo completamente avesso a verdade cristã.”

“Socialismo religioso, socialismo cristão são termos contraditórios: ninguém pode, ao mesmo tempo, ser bom católico e socialista verdadeiro” (Quadragesimo Anno, nº 117 a 120).

Pio XII explicou bem a diferença entre as pessoas:

“Pois bem, os irmãos não nascem nem permanecem todos iguais: uns são fortes, outros débeis; uns inteligentes, outros incapazes; talvez algum seja anormal, e também pode acontecer que se torne indigno. É pois inevitável uma certa desigualdade material, intelectual, moral, numa mesma família (…) Pretender a igualdade absoluta de todos seria o mesmo que pretender idênticas funções a membros diversos do mesmo organismo” (Discurso de 4/4/1953 a católicos de paróquias de S. Marciano).

João XXIII, como os demais Papas, defendeu a necessidade da propriedade privada: “Da natureza humana origina-se ainda o direito à propriedade privada, mesmo sobre os bens de produção” (Pacem in Terris, n°. 21).

João Paulo II, falando contra o capitalismo selvagem, disse: “Nesta luta contra um tal sistema, não se veja, como modelo alternativo, o sistema socialista, que, de fato, não passa de um capitalismo de estado, mas uma sociedade do trabalho livre, da empresa e da participação” (no. 35) “A Igreja reconhece a justa função do lucro, como indicador do bom funcionamento da empresa” (nº. 35). “Aquele Pontífice (Leão XIII), com efeito, previa as consequências negativas sob todos os aspectos – político, social e econômico – de uma organização da sociedade, tal como a propunha o ‘socialismo’, e que então estava ainda no estado de filosofia social e de movimento mais ou menos estruturado” (Enc. Centesimus Annus, n°12).

João Paulo II também mostra o erro grave do socialismo: “(…) É preciso acrescentar que o erro fundamental do socialismo é de caráter antropológico. De fato, ele considera cada homem simplesmente como um elemento e uma molécula do organismo social, de tal modo que o bem do indivíduo aparece totalmente subordinado ao funcionamento do mecanismo econômico-social, enquanto, por outro lado, defende que esse mesmo bem se pode realizar prescindindo da livre opção, da sua única e exclusiva decisão responsável em face do bem e do mal. O homem é reduzido a uma série de relações sociais, e desaparece o conceito de pessoa como sujeito autônomo de decisão moral, que constrói, através dessa decisão, o ordenamento social. Desta errada concepção da pessoa deriva a distorção do direito, que define o âmbito do exercício da liberdade, bem como a oposição à propriedade privada” (nº 13).

“Na Rerum Novarum, Leão XIII, com diversos argumentos, insistia fortemente contra o socialismo de seu tempo, no caráter natural do direito de propriedade privada. Este direito, fundamental para a autonomia e o desenvolvimento da pessoa, foi sempre defendido pela Igreja até nossos dias” (nº 30).

O “Livro Negro do Comunismo – Crimes, Terror e Repressão” (Stéphane Courtois, Nicolas Werth, Jean-Louis Panné, Andrzej Paczkowski, Karel Bartosek, Jean-Louis Margolin, Bertrand Brasil, Rio de Janeiro, 1999, 917 págs.) – faz um balanço do amargo fruto que este diabólico regime gerou para a humanidade. Oitenta anos depois da Revolução Bolchevique na Rússia (1917) e sete depois de a União Soviética ter acabado (1997), a trajetória trágica do comunismo pode ser contabilizada pelo número de vítimas.

É a história da trágica aplicação na vida real de uma ideologia carregada de falsas promessas de igualdade e justiça que custou entre 80 e 100 milhões de vidas, com a esmagadora maioria de vítimas nos dois gigantes do marxismo-leninismo, a União Soviética e a China; além de Cuba, Viet Nan, Laos, Cambodja, Bulgária, Romênia, Tchecoslováquia, Polônia, Hungria, etc.

Na China, houve cerca de 65 milhões de mortos, a maioria dizimada pela fome desencadeada a partir do “Grande Salto para a Frente”, o desastroso projeto de autossuficiência implantado por Mao Tsé-tung em meados dos anos 50. Tratou-se da pior fome da História, acompanhada de ondas de canibalismo e de campanhas de terror contra camponeses acusados de esconder comida.

Na URSS, de 1917 a 1953, ano da morte de Stalin, os expurgos, a fome, as deportações em massa e o trabalho forçado no Gulag mataram 20 milhões de pessoas. Só a grande fome de 1921-1922, desatada em grande parte pelo confisco de alimentos dos camponeses, ceifou mais de 5 milhões de vidas.

Na Coreia do Norte, comunista de carteirinha que ainda perdura, a execução de “inimigos do povo” contabiliza pelo menos 100 mil mortos. Em termos proporcionais, contudo, o maior genocida comunista é o Khmer Vermelho do Camboja: em três anos e meio (1975-1979), com sua política inclemente de transferência forçada dos moradores das cidades para o campo, matou de fome e exaustão quase 25% da população.”

Os crimes do stalinismo e a matriz da política de terror empregada por outros regimes comunistas ficaram bem conhecidos desde o XX Congresso do Partido Comunista Soviético em 1956.

O organizador do Livro, Stéphane Courtois, é um ex-maoísta convertido em crítico do marxismo; ele argumenta que o crime é intrínseco ao comunismo e não apenas um instrumento de Estado ou um desvio stalinista de uma ideologia de princípios humanitários. Courtois também sugere a equiparação do comunismo ao nazismo, com base na ideia de que ambos partilham a mesma lógica do genocídio. “Os mecanismos de segregação e de exclusão do totalitarismo de classe são muito parecidos com os do totalitarismo de raça”, escreve Courtois.

Quem ainda tem coragem de defender tal barbárie? No entanto, ela ainda existe na mente de muitos acadêmicos, jornalistas e outros que parecem não conhecer as lições da História.

Professor Felipe Aquino, Canção Nova

CASTIDADE


castidade

O sexo tem um sentido muito profundo; é o instrumento da expressão do amor conjugal e da procriação. Toda vez que o sexo é usado antes ou fora do casamento, de qualquer forma que seja, peca-se contra a castidade.
A castidade é uma virtude moral. É também um dom de Deus, uma graça, um fruto da obra espiritual (Cf. Gl 5,22-23). O Espírito Santo concede o dom de imitar a pureza de Cristo àquele que foi regenerado pela água do Batismo. (Cat. §2345)
“E todo aquele que nele tem esta esperança, se torna puro como ele é puro.” (1Jo 3,3) A castidade significa a integração correta da sexualidade na pessoa e, com isso, a unidade do homem em seu ser corporal…
Para se viver uma vida casta é necessário uma aprendizagem do domínio de si; ou o homem comanda suas paixões e obtém a paz, ou se deixa subjugar por elas e se torna infeliz.
Santo Agostinho disse que: “A dignidade do homem exige que ele possa agir de acordo com uma opção consciente e livre, isto é, movido e levado por convicção pessoal e não por força de um impulso interno cego ou debaixo de mera coação externa. O homem consegue esta dignidade quando, libertado de todo cativeiro das paixões, caminha para o seu fim pela escolha livre do bem e procura eficazmente os meios aptos com diligente aplicação.” (Confissões, 10,29,40).
Para se viver segundo a castidade é preciso resistir às tentações através dos meios que a Igreja nos ensina: fugir das tentações, obedecer os mandamentos, viver uma vida sacramental, especialmente freqüentando sempre a Confissão e a Comunhão, e viver uma vida de oração. Muito nos ajuda nisto a reza do santo Rosário de Nossa Senhora e a devoção e auxílio dos santos. (cf. Cat. §2340)
Santo Agostinho disse que: “A castidade nos recompõe, reconduzindo-nos a esta unidade que tínhamos perdido quando nos dispersamos na multiplicidade.” (Confissões, 10,29,40) A virtude da castidade é comandada pela virtude cardeal da temperança, que faz depender da razão as paixões e os apetites da sensibilidade humana. (cf. Cat. §2341). O homem que vive entregue às paixões da carne, na verdade vive de “cabeça para baixo”; sua escala de valores é invertida; torna-se fraco. Não é mais um homem; mas um caricatura de homem.
Infelizmente a sociedade hoje ensina os jovens a darem vazão e satisfação a todos os baixos instintos; essa “educação” é uma forma de animalizar o ser humano, pois coloca os seus instintos acima de sua razão e de sua espiritualidade.
O domínio de si mesmo é fundamental para a pessoa ser capaz de doar-se aos outros. A castidade torna aquele que a pratica apto para amar o próximo e ser uma testemunha do amor de Deus. Quem não luta para ter o domínio de si mesmo é um egoísta; não é capaz de amar. Por isso, a castidade é escola de caridade. A Igreja ensina que: “Todo batizado é chamado à castidade. O cristão “se vestiu de Cristo” (Cf. Gl 3,27), modelo de toda castidade. Todos os fiéis de Cristo são chamados a levar uma vida casta segundo seu específico estado de vida. No momento do Batismo, o cristão se comprometeu a viver sua afetividade na castidade” ( Cat. §2348).cpa_a_moral_catolica
Santo Ambrósio ensinava que: “As pessoas casadas são convidadas a viver a castidade conjugal; os outros praticam a castidade na continência; isto significa viver a vida sexual apenas com o seu cônjuge. Existem três formas da virtude da castidade: a primeira, dos esposos; a segunda, da viuvez; a terceira, da virgindade. Nós não louvamos uma delas excluindo as outras. Nisso a disciplina da Igreja é rica (Vid. 23)”. ( Cat. §2349)
Também os noivos são chamados a viver em castidade. A vida sexual só deve ser vivida após o casamento, pois só então o casal se pertence mutuamente, e para sempre, com um compromisso de vida assumido um com o outro para sempre.
“Os noivos são convidados a viver a castidade na continência. Nessa provação eles verão uma descoberta do respeito mútuo, uma aprendizagem da fidelidade e da esperança de se receberem ambos da parte de Deus. Reservarão para o tempo do casamento as manifestações de ternura específicas do amor conjugal. Ajudar-se-ão mutuamente a crescer na castidade”. ( Cat. §2350)

Prof. Felipe Aquino – cleofas.com.br

Do livro: A Moral Católica

Jesus no Litoral, um sonho do coração de Deus


1

A Missão Jesus no Litoral, JNL, nasceu no coração de alguns jovens, que após voltarem de uma Jornada Mundial da Juventude, com o Papa São João Paulo II, cheios do Espirito Santo e desejosos de levar a mensagem de Deus aos que não O conhecem ou se afastaram ao longo da caminhada, tiveram a inspiração de fazer uma missão no Litoral Paranaense. A Missão começou de forma tímida. Inicialmente os jovens não sabiam bem onde o Senhor os levaria, mas foram dóceis ao Espirito Santo e como era Sonho de Deus a Missão tomou proporções inimagináveis aos olhos humanos. O Litoral não foi escolhido ao acaso, o local também foi vontade de Deus, pois é onde as pessoas estão passando férias, com o coração aberto e mais acessíveis a Palavra de Deus. Outros ainda vão para a praia para fugir dos problemas, esquecer um pouco de suas dores e sofrimentos e por isso precisam que alguém lembre a elas que Deus as ama e é isso que fazem os missionários do JNL.

Como o que é de Deus permanece, a Missão JNL no paraná já está indo para a décima segunda edição e se expandiu para todo o Brasil. Cada Estado faz de acordo com sua realidade e com aquilo que é o desejo de Deus. São inúmeros os testemunhos de pessoas que tiveram a vida transformada por Deus através dos missionários do JNL, pessoas que desistiram de tirar a vida após serem tocadas pelo amor de Deus, pessoas que voltaram a ter esperança, fé e vontade de viver.

Tive a graça de participar, como missionária, de duas edições do JNL e por isso posso testemunhar quanta  Graça Deus derrama na vida das pessoas que são evangelizadas por nós e também as graças que Deus derrama na vida de cada missionário. Deus chama cada batizado à missão e se o seu estado de vida não te permite deixar sua casa basta que você, em primeiro lugar cumpra o mandato de Deus para sua vida evangelizando dentro de sua casa ou no seu local de trabalho, com seu testemunho e com sua oração.  Mas hoje Deus o chama a ir mais além, é possível que você seja missionário rezando pela missão JNL e também contribuindo de forma financeira, pois a missão tem custos e Deus quis contar com você para que ela aconteça.Lembre-se: Missão se faz com os pés dos que vão, os joelhos dos que ficam e as mãos dos que contribuem.

E se você quer conhecer um pouco mais a Missão JNL segue o link de um vídeo que vale a pena assistir: https://www.youtube.com/watch?v=BrjgybHKMe8

Alzira Silvério, GOJ Água VIva

Participe


“Missão se faz com os pés dos que vão, os joelhos dos que ficam e as mãos dos que contribuem”!
Se você quer ser um missionário, mas não tem disponibilidade de deixar sua casa então ajude-nos com sua oração e financeiramente!
Desde já, Deus o abençoe e recompense!

1

Como ler a Bíblia?


05

Devemos compreender que a Bíblia é a Palavra de Deus escrita para os homens e pelos homens; logo, ela apresenta duas faces: a divina e a humana. Logo, para poder interpretá-la bem é necessário o reconhecimento da sua face humana, para depois, compreender a sua mensagem divina.

Não se pode interpretar a Sagrada Escritura só em nome da “mística”, pois muitas vezes podemos ser levados por ideias religiosas pré-concebidas, ou mesmo podemos cair no subjetivismo. Por outro lado, não se pode querer usar apenas os critérios científicos (linguística, arqueologia, história, …); é necessário, após o exame científico do texto, buscar o sentido teológico.

A Bíblia não é um livro caído do céu, ela não foi ditada mecanicamente por Deus e escrita pelo autor bíblico (=hagiógrafo), mas é um Livro que passou pela mente de judeus e gregos, numa faixa de tempo que vai do séc. XIV aC. ao século I dC. É por causa disto que é necessário usar uma tradução feita a partir de originais e com seguros critérios científicos.

Os escritos bíblicos foram inspirados a certos homens; isto é, o Espírito Santo iluminou a mente do hagiógrafo a fim de que ele, com sua cultura religiosa e profana, pudesse transmitir uma mensagem fiel à vontade de Deus. A Bíblia é portanto um livro humano-divino, todo de Deus e todo do homem, transmite o pensamento de Deus, mas de forma humana. É como o Verbo encarnado, Deus e homem verdadeiro.  É importante dizer que a inspiração bíblica é estritamente religiosa; isto é, não devemos querer buscar verdades científicas na Bíblia, mas verdades religiosas, que ultrapassam a razão humana: o plano da salvação do mundo, a sua criação, o sentido do homem, do trabalho, da vida, da morte, etc.

Não há oposição entre a Bíblia e as ciências naturais; ao contrário, os exegetas (estudiosos da Bíblia) usam das línguas antigas, da história, da arqueologia e outras ciências para poderem compreender melhor o que os autores sagrados quiseram nos transmitir.

Mas é preciso ficar claro que a revelação de Deus através da Bíblia não tem uma garantia científica de tudo o que nela está escrito. É inútil pedir à Bíblia uma explicação dos seis dias da criação, ou da maneira como podiam falar os animais, como no caso da jumenta de Balaão. Esses fatos não são  revelações, mas tradições que o autor sagrado usou para se expressar.

A própria história contida na Bíblia não deve ser tomada como científica. O que importa é a “verdade religiosa” que Deus quis revelar, e que às vezes é apresentada embutida em uma parábola, ou outra figura de linguagem.

O mais importante é entender que a verdadeira leitura bíblica deve sempre ter em vista a finalidade principal de toda a Sagrada Escritura que é a de anunciar Jesus Cristo e dar  testemunho de sua pessoa. Para aqueles que viviam no Antigo Testamento, se tratava apenas de um Salvador desconhecido, que viria. Mas para nós, se trata do Salvador que “habitou no meio de nós”, e que ressuscitado está no meio de nós até o fim dos tempos, quando voltará visível e glorioso para encerrar a história.

Por ser Palavra de Deus, a Bíblia nunca fica velha, nem caduca; ela fala-nos hoje como para além dos séculos.

Cristo é o centro da Sagrada Escritura. O Antigo Testamento o anuncia em figuras e na esperança; o Novo Testamento o apresenta como modelo vivo.

O Catecismo nos ensina que “Deus, na condescendência de sua bondade, para revelar-se aos homens, fala-lhes em palavras humanas” (§101).

“Através de todas as palavras da Sagrada Escritura, Deus pronuncia uma só Palavra, seu Verbo único, no qual se expressa por inteiro” (§102).

“Com efeito, as palavras de Deus, expressas por linguagem humana, tal como outrora o Verbo do Pai Eterno, havendo assumido a carne da fraqueza humana, se fez semelhante aos homens” (Dei Verbum,13).

Santo Agostinho ensinava que:

“É uma mesma Palavra de Deus que se ouve em todas as Escrituras, é um mesmo Verbo que ressoa na boca de todos os escritores sagrados, ele que, sendo no início Deus, junto de Deus, não tem necessidade de sílabas, por não estar submetido ao tempo”(Salmos 103,4,1).

Somente as palavras originais com as quais a Bíblia foi escrita (hebraico, aramaico e grego) foram inspiradas; as traduções não gozam do mesmo carisma da inspiração; é por isso que a Igreja sempre teve muito cuidado com as traduções, pois podem conter algum sentido que não foi da vontade do autor e de Deus. As traduções devem ser fiéis aos originais; e isto não é fácil.

(Prof. Felipe Aquino)

Setembro: Mês da Primavera. Tempo das surpresas de Deus!


Como a flor das roseiras nos dias da primavera; como os lírios junto às fontes das águas, como a vegetação do Líbano nos dias do verão.(Eclesiástico 50,8)

tulipas5

Depois de um longo inverno sempre vem à primavera, tempo de renascer dos brotos, da esperança, dos dias claros, a vida renasce e é tempo das surpresas de Deus!

Por mais longo que seja o inverno ele só dura uma estação, ele tem inicio, meio e fim e assim é o ciclo de todos os anos. Comparando a nossa vida com as estações do ano, às vezes parece que não vamos sair do inverno, do tempo ruim, das previsões sombrias. Toda dor tem seu tempo, todo frio tem sua intensidade e o agasalho ideal para suportá-lo. Tudo, absolutamente tudo que vivemos pode nos ensinar algo, fazer-nos crescer, criar resistências e defesas e até no final de tudo proporcionar realização e felicidade.

Olha a experiência que as Águias americanas vivem no inverno para renascer na primavera: as águias mais velhas procuram uma fenda no cume da montanha mais alta, para poder se desfazer de suas penas, de suas garras e até de seu bico. O cume da montanha a mantém livre dos predadores, justamente no tempo onde ela não tem nenhuma defesa, e sem o seu bico e as garras ela vai viver das reservas de energia que acumulou no verão. Como podemos ver a natureza não é tão cruel como se pensa, a águia precisa passar por tudo isso para sobreviver mais uns trinta anos e poder perpetuar a espécie com águias mais resistentes, e a nova águia vai surgir na Primavera. A natureza foi feita para sofrer mudanças, neste tempo se renovam todas as coisas, para que surja a primavera com os dias claros e coloridos pelas flores, foi preciso passar por dias escuros e frios do inverno. Não acontece exatamente assim na nossa vida?

É assim que a Canção Nova vive a expectativa da primavera. A nossa história sempre provou que nesta estação é tempo de renovação, onde o ar sombrio dar lugar ao colorido das flores, os dias mais claros, cheios de vida e de esperança, reacende em nossos corações as novidades de Deus. Tempo das graças, de deixar para trás o que era velho, pois essa é a promessa do Senhor: “Não deveis ficar lembrando as coisas de outrora, nem é preciso ter saudades das coisas do passado. Eis que estou fazendo coisas novas, estão surgindo agora e vós não percebeis? Sim, no deserto eu abro um caminho, rasgo rios na terra seca.” (Isaías 43, 18 – 19). Tem gente que diz a minha vida tem somente duas estações ou muito quente ou muito frio, relacionando coisas boas e ruins, minha vida é um deserto. Pois esta é a promessa de Deus para você: “o deserto vai florir!”

Nossa vida é marcada pelo tempo, que vivemos que se chama chronos, esse que se vive pelo relógio, às estações do ano, dias, meses etc. É o Kairós tempo da Graça de Deus pra mim e para você. Por isso, abra-se ao novo, as novidades e surpresas de Deus para você. Tempo dos presentes de Deus, das mudanças, o amor de Deus que planava sobre o frio do inverno, agora aquece as sementes que brotam da terra e do tronco das plantas nascem às flores vivas e cheias de cor. Onde estão agora as sombras do inverno? Os dias frios, as noites longas? Tudo termina agora com o colorido das flores. Isso nos prova que tudo passa, até o mais longo inverno tem seu tempo e depois o que fica são a fortaleza das raízes que cresceram escondidas.

Padre Luizinho, Membro da Comunidade Canção Nova

Mês da Bíblia- Dicas para ler a Palavra de Deus


16

Nesta matéria, monsenhor Jonas Abib nos ensina a ler a Bíblia com eficácia. No final disponibilizamos um vídeo com dicas de Sandro Arquejada para ajudá-lo, ao ler a Palavra, a encontrar as promessas de Deus, as ordens e os princípios eternos com o método do fundador da Comunidade Canção Nova.

1. Leia a Bíblia todos os dias

Eis a principal regra de ouro: ler a Bíblia todos os dias. Sem exceção. Leia-a quando tiver vontade e quando não a tiver também! É como remédio: com ou sem vontade, o tomamos, porque é necessário. Com a Bíblia é a mesma coisa. E isso é premente nos tempos em que vivemos.
Da mesma forma que você alimenta o corpo todos os dias, alimente diariamente o seu espírito com a Palavra de Deus. Assim como tomamos banho todos os dias e, quando não podemos fazê-lo de manhã, à noite o corpo pede um banho, assim também se passa com a leitura da Bíblia: se você não conseguir a ler durante o dia, sem que você se aperceba, o seu espírito ficará pedindo um banho da Palavra de Deus. Não deixe de dar ao seu espírito o que você dá ao seu corpo!

Tem gente que não consegue dormir sem tomar banho; essas pessoas se viram e se reviram na cama sem dormir. Que eu e você sejamos assim espiritualmente falando: que não possamos dormir sem o banho da leitura da Palavra de Deus.

2. Tenha uma hora marcada para a leitura bíblica

Para grande parte das pessoas, a melhor hora de ler é de manhã cedinho. Elas se levantam cedo para ler a Palavra de Deus e fazer o seu trabalho com o diário espiritual, antes das outras ocupações e do começo do movimento em casa. Trata-se de um costume maravilhoso. É certamente o que mais rende. Além disso, tem-se a vantagem de iniciar, logo cedo, uma super-refeição e começar o dia com força total.

Há, porém, quem tenha dificuldades para fazer isso. São pessoas que, pela manhã, sentem-se pesadas e sonolentas. Parece que a cabeça delas não funciona. Elas não conseguem se concentrar nesse horário. E não adianta fazer esforço, pois terminam por gastar tempo para alcançar pouco. Nada há nada de estranho nisso. Existem muitas pessoas assim, talvez você seja uma delas. Essas pessoas, em geral, rendem mais à noite. Apesar do cansaço do dia, à noite sua mente fica desperta, ativa. Se para você o período bom for o noturno, não hesite: trabalhe com a Bíblia à noite.

Fazer isso também tem vantagens: você prolonga a leitura até a hora que quiser e vai dormir com um bom conteúdo na mente. E o seu inconsciente, com certeza, vai trabalhar com todo esse material.

Para muitas mães de família, o melhor momento é o meio da tarde, depois de terminarem os trabalhos domésticos. Nessa hora, elas estão sossegadas por não haver barulho nem movimento na casa, o que lhes permite trabalhar com a Bíblia.

O importante é descobrir o melhor período para você. E fazer dele a sua hora marcada, sendo-lhe fiel, sem exceções.

3. Marque a duração da leitura bíblica

Esta é outra regra de ouro: marque a duração da leitura e seja fiel e ela. Seja sério consigo mesmo. É preferível 10 minutos todos os dias a ser levado pelo entusiasmo de quem começa e não ir em frente. Muitas pessoas que, de início, exigiram muito de si mesmas, a fim de fazer com seriedade e constância esse trabalho, agora se confessam satisfeitas com o fato de que, passado certo tempo, sentiram um envolvimento e uma motivação tamanhos de modo que a disciplina deixou de ser uma exigência. Do mesmo modo, dado o rigor com o qual encararam esse tempo para a leitura, hoje, percebem que ele se tornou curto. Elas precisam de mais tempo, o trabalho ficou com gosto de “quero mais”. Pena que nem sempre isso seja possível.

4. Escolha um bom lugar

Ter o nosso cantinho para isso é muito bom. E não precisamos de nada especial; o que importa é contar com um lugar tranquilo, silencioso, que facilite a concentração e favoreça a criação de um clima de oração. Faz-nos bem ir todos os dias para o nosso cantinho e nele fazer o nosso trabalho com a Bíblia. Lembre-se, todavia, de que o lugar é uma coisa secundária: ele é apenas um meio para trabalharmos melhor e com maior resultado. Importante mesmo é, em qualquer lugar e em qualquer circunstância, realizar com dedicação a nossa tarefa.

5. Leia a Palavra com lápis ou caneta na mão

Não se trata de simplesmente ler; devemos fazer uma leitura ativa. Um meio simples, mas eficaz de fazer isso, é ler com lápis ou caneta na mão. Sublinhe as passagens mais importantes, tudo o que chamar a sua atenção, as coisas que lhe falaram ao coração e que o tocaram de modo especial. É até bom ter uma caneta de quatro cores e usar ora uma ora outra. Isso ajuda: ponha trechos em destaque, diferencie-os.

Utilize sinais que tenham sentido para você, faça anotações, não tenha medo de riscar a sua Bíblia. Ela é um instrumento de trabalho. Você vai ficar com ela bem marcada; vai ser fácil você se lembrar das passagens bíblicas e encontrá-las quando procurar. Além disso, facilita a concentração na leitura, o entendimento da mensagem e a impressão do que é lido na mente e no coração.

6. Faça tudo em espírito de oração

Você não está apenas lendo a Bíblia, você está buscando um encontro com a Palavra de Deus. Está à procura de um contato íntimo com a Palavra viva do Deus, que fala a você por intermédio dela. Trata-se de um diálogo: você escuta, você acolhe, você se sente tocado, se sensibiliza, responde. É um encontro vivo entre pessoas vivas, um encontro de pessoas que se amam mutuamente. Muitos experimentaram essa relação. Experimente-a você também.

O principal interesse de Deus não é tanto fazer você escutar, mas falar com você. Ele deseja instruí-lo e conduzi-lo ao conhecimento da verdade. Por isso, esteja atento, fique alerta; mantenha-se numa atitude de expectativa. Deus tem algo de bem pessoal e concreto para lhe dizer!

(Artigo extraído “A Bíblia no meu dia a dia” de monsenhor Jonas Abib)

A Palavra de Deus é eficaz e transforma a vida


Quando Deus nos fala por meio da Bíblia e sabemos ouvi-lo, nossa vida nunca mais volta a ser a mesma!

safe_image

“Tal como a chuva e a neve caem do céu
e para lá não volvem sem ter regado a terra,
sem a ter fecundado, e feito germinar as plantas,
sem dar o grão a semear e o pão a comer,
assim acontece à palavra que minha boca profere:
não volta sem ter produzido seu efeito,
sem ter executado minha vontade
e cumprido sua missão.”
(Isaías 55, 10-11)

Não podemos permitir que ler a Palavra de Deus – que é viva e eficaz – seja recebida por nós e não realize nenhuma mudança, nenhuma transformação, que sua leitura seja cada dia mais mecânica, carente de significado ou sentido para minha vida atual, porque isso significaria contradizer o que ela nos indica, o que nos recorda a passagem bíblica acima citada.

A Palavra de Deus passa surpreendentemente pelas nossas vidas e gera em cada pessoa um questionamento sobre os projetos pré-estabelecidos que possuímos, sobre tudo o que “organizamos”, mas que nunca conversamos com Deus sobre se é ou não conveniente para as nossas vidas.

Costumamos dizer “Senhor, em vós confio!” da boca para fora, porque, por dentro, murmuramos todo o contrário; em nosso interior, não é tanta a confiança nAquele que nos ama de maneira inigualável; não é tão grande a nossa entrega.

Na Bíblia, é o próprio Deus quem nos fala para nos motivar, para nos despertar, para nos levar à ação, despertar aquele soldado que há em cada um, disposto e pronto para a batalha.

No entanto, é todo um desafio afastar-nos do barulho, do ruído do mundo, para escutar o nosso Criador. Este é o convite que aPalavra de Deus nos faz, um momento em que Deus nos ama e nos deixamos amar por Ele.

Oração

Senhor,
tu sabes quantas vezes te escutei,
mas não pude te ouvir de verdade,
quantas vezes quiseste me falar,
mas não parei para prestar atenção,
quantas vezes por dia esperaste
que eu me lembrasse de vós e não o fiz.
No entanto, nunca te afastaste de mim,
nunca deixaste de insistir.
Por isso, quero te louvar,
quero te dar graças pelo teu amor,
pela tua paciência, pela tua misericórdia.

Envia hoje teu Espírito sobre mim, Senhor,
para que seja Ele quem modele meu coração,
quem me instrua na tarefa de descobrir-te em tua Palavra,
de ser transmissor da tua mensagem de amor,
para poder ser terra fértil,
onde a semente que a tua Palavra semeia em mim
germine e dê bons frutos.
Amém.

(Artigo publicado originalmente por Oleada Joven)

“Mas se tardar espera-a”. A esperança é como uma planta, precisa ser cultivada


kit-120-sementes-de-rosas-coloridas-exoticas-frete-gratis-14722-MLB4202857175_042013-F

Assim como as rosas a esperança precisa desabrochar em nosso coração e para que uma rosa desabroche ela precisa primeiramente ser plantada, regada, passar por podas e antes ainda o terreno onde ela vai ser plantada precisa ser preparado, a terra precisa ser boa e estar adubada. A luz do local também precisa ser adequada, uma rosa não floresce se não receber a luz do sol, aliás não há vida alguma na escuridão.

A esperança também precisa ser cultivada, se não morre antes mesmo de florescer.  As vezes nosso sonhos murcham por que não cultivamos, por que não acreditamos neles o suficiente e principalmente porquê  sonhamos sozinhos, não deixamos Deus sonhar com a gente.

Outro fator importante que faz nossos sonhos murcharem antes de dessabrocharem e que matam a esperança no nosso coração é o tempo. Nosso tempo é diferente do tempo de Deus, Ele sabe a hora em que estaremos prontos para que as coisas aconteçam na nossa vida, mas muitas vezes nosso cansaço na espera acabam nos levando a perder a fé a desistir de acreditar e deixamos nossa esperança morrer na escuridão da nossa alma, na secura da nossa tristeza. “Por que há ainda uma visão para um termo fixado, ela se aproxima rapidamente de seu termo e não falhará. Mas se tardar espera-a, porque ela se realizará com certeza e não falhará” (Hab 2,3)

Não desista de cultivar a esperança, não permita que ela morra, acredite que Deus tem o melhor para realizar na sua vida e um belo dia quando você se der conta seu sonho se realizará e será maior e melhor do que você esperava, porque Deus não pademora, Ele capricha. Quando você se der conta vai abrir sua janela e seu jardim estára la florido, lindo, colorido, cheio de borboletas e beija flores e ai você verá que valeu a pena, cada espera, cada poda, cada momento dedicado a cultivá-lo. Não desista, cultive seus sonhos, sua esperança e convide Deus para ser o jardineiro da sua vida.

Alzira A. Silvério, GOJ Água Viva

O que diz a Bíblia sobre as mulheres?


13

Conheça alguns ensinamentos bíblicos:

“Vede, os filhos são um dom de Deus: é uma recompensa o fruto das entranhas” (Sl 126,3).

“Feliz o homem que tem uma boa mulher, pois, se duplicará o número de seus anos. A mulher forte faz a alegria de seu marido, e derramará paz nos anos de sua vida. Rico ou pobre, (o seu marido) tem o coração satisfeito, e seu rosto reflete alegria em todo o tempo”. (Eclo 26,1-4)

“A graça de uma mulher cuidadosa rejubila seu marido, e seu bom comportamento revigora os ossos”. (Eclo 26,17)

“A mulher santa e honesta é uma graça inestimável; não há peso para pesar o valor de uma alma casta”. (Eclo 26,19)

“Assim como o sol que se levanta nas alturas de× Deus, assim é a beleza de uma mulher honrada, ornamento de sua casa”. (Eclo 26,21)

“Como a lâmpada que brilha no candelabro sagrado, assim é a beleza do rosto na idade madura”. (Eclo 26,22)

“Como fundamentos eternos sobre pedra firme, assim são os preceitos divinos no coração de uma mulher santa”. (Eclo 26,24)

“Encontrar uma mulher é encontrar a felicidade, e obter um favor de Iahweh”. (Pr 18,22)

“Quem encontrará a mulher talentosa? Vale muito mais do que as pérolas”. (Pr 31,10)

(Professor Felipe Aquino)