ImageDando continuidade aos assuntos polêmicos do nosso dia a dia, vamos entender através dos ensinamentos do YOUCAT sobre a eutanásia e a pena de morte.

379 – Que atentados estão implícitos na proibição de matar?

Implícitos estão o homicídio e a cumplicidade no assassínio. Implícitos estão os crimes de guerra. Implícita está a interrupção involuntária da gravidez (aborto) de um ser humano, desde a sua concepção. Implícito está o suicídio, a automutilação e a autodestruição. Implícita está a eutanásia, ou seja, matar pessoas portadoras de deficiência, doentes e moribundos. [2268-2283, 2322-2325]

Hoje, a proibição de matar é frequentemente disfarçada com argumentos aparentemente humanos. Todavia, nem a eutanásia nem o aborto são soluções humanas. Por isso, a Igreja não tem qualquer dúvida relativamente a tais questões: quem participa num aborto, força alguém a praticá-lo ou o aconselha a fazer é automaticamente excomungado, como no caso de qualquer outro atentado contra a vida.

Quando uma pessoa psiquicamente doente comete suicídio, a responsabilidade por isso não raramente é limitada; muito frequentemente é até reduzida.

 

381 –Por que motivo a Igreja é contra a pena de morte?

A Igreja empenha-se contra a pena de morte porque ela << é tão cruel como desnecessária>> (João Paulo II, St. Louis, 27.01.1999). [2266-2267]

Cada Estado de direito tem o direito de castigar adequadamente. Na Encíclica Evangelium vitae (1995), o Papa João Paulo II não afirma que a pena de morte é uma pensa inaceitável ou injusta. Tirar a vida a um criminoso é uma medida extrema, a que um Estado só deve recorrer em casos de absoluta necessidade. A necessidade justifica-se quando a sociedade humana não se pode defender sem a execução do culpado. Todavia, estes casos, diz João Paulo II, << são já muito raros, se não mesmo praticamente inexistentes>>

 

382 – É permitida a eutanásia?

Provocar a morte ativamente atenta sempre contra o mandamento << Não matarás! >> (Ex 20,13) Pelo contrário, assistir a uma pessoa no processo de morte constitui mesmo um mandamento humano. [2278-2279]

Os conceitos “eutanásia ativa” e “eutanásia passiva” obscurecem frequentemente os debates. O que está em questão é se matamos uma pessoa que está a morrer ou se permitimos que ela morra.

Quem, no caso da chamada “ eutanásia ativa”, assiste uma pessoa para que ela morra atenta contra o quinto Mandamento do amor ao próximo. Neste último caso, em que a morte deum paciente é iminente, trata-se de renunciar a medidas extraordinárias, dispendiosas e sem efeito. A decisão aqui pertence ao próprio paciente, que o pode determinar antecipadamente por testamento vital; caso não o tenha feito nem esteja agora em condições de o fazer, um legítimo representante terá de tomar a decisão em conformidade com a vontade declarada ou provável do paciente.

O cuidado da pessoa que está a morrer nunca deve ser interrompido; é um mandamento do amor ao próximo e da misericórdia. Neste âmbito, é legítimo, e corresponde à dignidade humana, administrar medicamentos paliativos, mesmo que daí decorra o perigo de abreviar a vida do paciente; é decisivo que a morte não seja desejada, nem como fim nem como meio.

Abraço pessoal!!! Paz de Jesus!!!

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s